Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jornal Metro

O maior jornal diário do mundo

Jornal Metro

O maior jornal diário do mundo

Entrevista a Francisca Pereira dos Santos

Francisca Pereira dos Santos está na Austrália a preparar a temporada que começa em Março. A jovem portuguesa de 20 anos, que em 2009 conquistou o título de campeã Pro Júnior, foi a quarta melhor da Europa e vigésima classificada do circuito mundial WQS, quer agora entrar na elite mundial (WCT). Para melhorar as suas hipóteses, Francisca está a treinar no The Surfing Australia HPC,  um centro de alto rendimento de surf.

 

Quais são os seus objectivos para este ano?
Entrar no WCT, que reúne as melhores surfista do mundo. Ou seja, tenho de ficar no top 10 do WQS, para entrar no WCT.

 

Em que medida esta sua estadia neste centro de alto rendimento de surf na Austrália melhora o sua performance dentro de água?
O ano competitivo começa agora na Austrália. Está cá toda a gente, todos os surfistas. Agora é Verão, logo podemos surfar todos os dias. E surfamos com os melhores, o que nos motiva. Ao mesmo tempo temos treinos com os melhores treinadores do mundo.

 

Estão aí os melhores treinadores do mundo?
Não. E há alguns que nem se adaptam a nós. Mas temos cá treinadores muito bons, que já fizeram alguns surfistas campeões do mundo.

 

Pode dar-me um exemplo?
O Martin Dunn é muito bom. Trabalha aqui no centro, na Gold Coast, onde costumam vir surfar o Mick Fanning [campeão do mundo] ou a Stephanie Gilmore [campeã do mundo]. São vários os exemplos de surfistas que têm tido bons resultados. Mas gosto imenso de vir para a Austrália para ganhar ritmo e consistência.

 

Como é o seu dia-a-dia?
O despertador toca às seis da manhã. Come-se qualquer coisa e vamos ver o mar. Esteja bom mau entramos na água. Hoje [ontem] estava horrível, mas entrámos. Surfamos e depois vamos às compras ou à Internet, no que demoramos cerca de uma hora. Depois almoçamos. E ao fim da tarde vamos correr ou surfar.

 

Quem está aí consigo?
Agora está só a Francisca Sousa. Daqui a uma semana chega a Raquel Sampaio e a Joana Machado.

 

Tem saudades de casa?
Agora está no início, mas claro que sinto saudades. Temos de ser nós a cozinhar e estou habituada a chegar a casa e a ter tudo feito [risos]. Tenho saudades daqueles mimos que temos em casa e de estar com os meus pais e os meus irmão, que é sempre bom.

 

Como é a sua alimentação? Tem estranhado a comida?
Não estanhamos muito porque somos nós que fazemos as compras, mais ou menos como em Portugal. Embora aí sejam os nossos pais que fazem as compras. Mas tomei atenção ao que os meus pais fazem e agora já estou a aprender. Mas é claro que nunca sabe ao mesmo.

 

Mas a alimentação é muito diferente?
É um pouco mais “gordurosa”. É um sabor diferente mas sabe bem.

 

Comem-se muitos hamburgueres e pizzas?
Sim. Quando vamos ao MacDonald’s, automaticamente, pensam que vamos pedir coca-cola, mas pedimos água por estarmos a treinar e todos os dias faz mal. E eles ficam a olhar para nós a pensar “água?! Ninguém bebe água.”

 

Como consegue conciliar o curso de Gestão que está a tirar na faculdade com o surf?
Neste momento, como os campeonatos são na mesma altura que os exames, suspendi este semestre. Só vou fazer este semestre em Setembro.

 

Após a boa temporada que fez em 2009 ganhou mais patrocínios?
Não tenho mais patrocínios, mas os que já tinha foram melhorados. Os meus patrocínios apoiam-me agora mais. Este alojamento é pago pelos patrocínios. Tenho sorte.

 

Pretende fazer do surf carreira?

Sim. Enquanto puder fazer do surf profissão, porque ganho dinheiro com isto, não muito mas ganho, vou continuar a surfar. Desde que dê para estudar ao mesmo tempo e que vá tendo noção das coisas continuo. Quando perceber que não dá desisto.