Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jornal Metro

O maior jornal diário do mundo

Jornal Metro

O maior jornal diário do mundo

Twiggy: recordar os áureos "sixties"

 

A ex-top model inglesa Twiggy, um dos ícones incontornáveis dos anos 60, completou 60 anos em Setembro passado. Famosa pela sua silhueta magra, grandes olhos expressivos e pela sua faceta de maria rapaz,  compilou algumas das suas melhores imagens num livro,  chamado "Twiggy: A Life In Photographs”, e é a estrela de uma exposição na National Portrait Gallery de Londres, patente até Março.

 

Como é que preserva essa boa aparência aos 60 anos?
Estou feliz com a minha vida e adoro o que faço. Fui abençoada com uma boa saúde, e isso está no topo da lista, certo? E claro, como de forma saudável.

 

 

 

Quais as memórias que guarda da década de 60?
Quando estamos a viver alguma coisa, não estamos constantemente a parar e a pensar: “Uau, isto é maravilhoso!”. Foi uma época óptima da minha vida, mas eu não me apercebi disso até um dia ter olhado para trás, ter percebido o quão maravilhosa foi essa época. Acho que nenhum de nós nunca pensou que a década de 60 se viesse a revelar tão importante. Historicamente foi a primeira vez que a classe trabalhadora teve algumas oportunidades. Eu fui o modelo da primeira classe trabalhadora.


Porque é que desistiu da sua carreira ainda tão nova?
Eu na verdade não desisti. Devido ao meu sucesso com modelo, abriram-se portas  para mim no mundo do espectáculo. Conheci  o Ken Russell, o encantador director que me dirigiu no “ The Boy Friend”. Foi excepcional, tinha apenas 20 anos.

 

Houve alguma vez rivalidades entre a si e outras modelos dos anos 60, como com Veruschka  ou a Jean Shrimpton?
Elas estavam já estabelecidas como modelos e eu era uma criança. Mas eram amorosas comigo, cuidavam de mim. Eu tinha posters da Jean Shrimpton na parede do meu quarto. Eu adorava-a, ela era fantástica.

 

A Twiggy apareceu na capa do disco “Pin Ups” de David Bowie. Qual é a história desta capa?
Essa fotografia era inicialmente para a capa da Vogue inglesa.  Éramos ambos um pouco andrógenos e pensámos que iamos fazer um bela capa. Mas entretanto o director de arte recusou pôr um homem na capa,  foi quando o David Bowie disse: “ não te preocupes, esta é uma foto brilhante, vou usá-la na capa do meu disco.”


Paul McCartney  é também um grande amigo.
Sim,  é um dos meus melhores amigos. E Linda ( McCartney)  é uma grande, grande amiga minha. Conheço-o desde os meus 17 anos. Somos muito próximos. Estava sempre por perto quando os filhos dele nasceram. A minha filha Carly é designer da Stella McCartney. Na verdade temos uma realidade familiar.

 

Quais os designers actuais que mais admira?
Inglaterra produziu designers excepcionais. Na verdade todo o mundo inteiro produziu, mas especialmente Inglaterra. Matthew Williamson é brilhante. Obviamente Stella McCartney, conquistou o mundo através de uma tempestade! Christopher Kane, John Galliano...há imensos.

 

Acha actualmente as modelos demasiado magras?
Se for natural, não há problema. Torna-se perigoso quanto tentam perder peso. Acho que os designers e as revistas têm muito que responder por isso, eles adoram agenciar modelos excessivamente magras. As revistas e os designers têm de ter mais responsabilidade.

 

Fica magoada quando vê artigos que a acusam de ter influenciado adolescentes a tornarem-se anorécticas?
Na verdade não.  Eu percebo como é que se processa. Eu influenciei raparigas que queriam ser magras. Mas se olharmos para trás, para a história da moda, as modelos sempre quiseram ser magras. Os designers gostavam disso. Na verdade, acho que isso nunca vai mudar.


Quem é a nova Twiggy?
Definitivamente a Kate Moss. Ela é um fenómeno. É uma das melhores modelos de sempre. Olhem para as fotografias: ele melhora dia após dia. Eu conheço-a, ela é naturalmente amorosa, e uma modelo brilhante. E acredito que ela se vai tornar numa inteligente mulher de negócios.

 

 MWN